Google+ Badge

sábado, 9 de maio de 2009

Dia das mães

Pôs é pessoal hoje é dia das mães então para vocês que tem a felicidade de ter está pessoa maravilhosa do lado agradença a Deus por ela existir porque nois filhos nunca damos a ela o real e merecido valor, quando atentamos para isso na maioria das vezes é tarde para dizer um pequenina palavra, que muitas vezes não dizemos por achar que ela sabe e que por este motivo não é necessario reafimar.
Portanto hoje reafirme o teu amor por ela diga , conte , grite o quanto ela é imporatnte para você e saiba que isto tem para ela muito mas valor do que aquele presente coprado por obrigação.
E lembre-se que sinônimo de mãe é amor, superação, abnegaçõa lealdade e entrega ´portante nesse dia que é dela por total e irestrito merecimento se doi aela pelo menos um dia como ela se doa a você por toda uma vida.
Eu já não tenho a minha perto de mim , mas sei que mesmo ao longe em outra dimensão ela está a olhar por mim então mãe que teu dia seja de maor , mas de um amor de mãe por só este amor é para sempre....

Não é truque de computador A revitalização de um rio de Seul, na Coréia do Sul, mudou a paisagem a tal ponto que as imagens de antes e depois parecem

Rio Cheonggyecheon, em Seul, na Coréia do Sul. após ser recuperado pela prefeitura do local

Rio Cheonggyecheon, em Seul, na Coréia do Sul. antes da demolição do viaduto que cobria o canal

Foi criado um semi-anel viário para desviar o tráfego da área do antigo viaduto

Quem vê a água limpa descendo pelo rio Cheonggyecheon, em Seul, na Coréia do Sul, e pode usufruir das áreas verdes que tornaram o centro de cidade mais agradável, não imagina que, até o início desta década, aquela era apenas mais uma zona urbana degradada, a exemplo de tantas outras pelo mundo afora. Para garantir a recuperação ambiental, a prefeitura local tomou decisões radicais, incluindo a demolição de um viaduto que cobria esse canal urbano totalmente poluído. Cerca de 620 mil toneladas de concreto foram ao chão e investimentos de US$ 380 milhões tornaram realidade o que parecia impossível: assegurar a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos a partir da paisagem restaurada.
A recuperação do rio Cheonggyecheon é considerada uma referência mundial em humanização de cidades, não só pela despoluição das águas mas pela construção de parques lineares que devolveram o contato das margens aos moradores, que é a sétima maior do mundo em número de habitantes – tem 10,3 milhões de pessoas. O concreto do viaduto derrubado foi reciclado, e as obras de recuperação, iniciadas em meados de 2003. Três anos depois, parte do canal de 80 metros de largura foi aberto ao público e, no mês passado, o projeto foi concluído, com a entrega aos moradores de áreas verdes que totalizam 400 hectares, distribuídas ao longo de oito quilômetros de extensão. Para facilitar o acesso ao local, além da construção de novas pontes, o sistema de transporte coletivo foi ampliado, o que significou uma redução no número de veículos nos arredores. As interferências urbanísticas e as obras de melhoria ambiental fizeram a temperatura na área do canal cair em média 3,6°C em relação a outras regiões da cidade.
O arquiteto urbanista Clodualdo Pinheiro Júnior, diretor de Desenvolvimento da empresa municipal Urbanização de Curitiba (URBS), visitou Seul em julho do ano passado e ficou impressionado com a experiência de recuperação do rio Cheonggyecheon. “Nos dias mais quentes, as pessoas molham os pés na água. É um belo exemplo de melhoria da qualidade de vida da população”, diz o arquiteto. Ele conta que para realizar o projeto e demolir o viaduto – por onde passavam aproximadamente 160 mil automóveis por dia –, a prefeitura de Seul enfrentou resistências, sobretudo de comerciantes, que foram realocados. Símbolo da expansão urbana e da busca por soluções para dar conta do incremento do tráfego no centro da cidade, aquela estrutura de concreto, com seis pistas de alta velocidade, havia coberto totalmente o antigo canal onde as mulheres lavavam roupas havia mais de 50 anos.
Sem viaduto e com menos trânsito
A polêmica obra da prefeitura de Seul começou em 1999. O atual presidente da Coréia do Sul, Lee Myung Bak, prefeito naquela época, foi o responsável pela mobilização para despoluir o canal, demolir o viaduto e criar os parques lineares. Para tocar a empreitada foi chamado o urbanista Kee Yeon Hwang, que, após várias consultas à população, desenvolveu o projeto de recuperação ambiental e urbanística. A equipe dele também passou mais de seis meses investigando alternativas para melhorar o tráfego. De acordo com Pinheiro Júnior, o poder público local optou por construir um semi-anel viário para desviar o tráfego da área do antigo viaduto. “A cidade agora respira mais e o pedestre pode vê-la melhor”, diz ele. Para o urbanista, Seul conseguiu uma proeza que parece impossível para outras metrópoles mundiais, entre as quais São Paulo. No caso da capital paulista, o arquiteto cita o Minhocão, viaduto que, além de interferir negativamente na paisagem, concentra degradação social e ambiental no seu entorno, problema que considera desafiador quando se pensa na sustentabilidade das cidades. “Ao elaborar um projeto, o urbanista tem que pensar em questões que transcendem os limites da arquitetura. Isso inclui os problemas sociais que uma obra pode evidenciar no longo prazo”, afirma.
Inspiração Curitibana
Seul, como Barcelona, na Espanha, é um exemplo de metrópole cujo espaço urbano foi fortemente requalificado para sediar os Jogos Olímpicos. A recuperação do rio no centro da cidade é continuidade do processo de outras grandes reformas estruturais que ficaram como legado da Olimpíada de 1988. As preocupações com o crescimento do tráfego de veículos, no entanto, têm levado os gestores coreanos a buscar experiências inovadoras ao redor do mundo – a de Curitiba é uma delas.
Na capital sul-coreana, por onde circulam 2,8 milhões de automóveis, o sistema de ônibus transporta 25% dos passageiros da cidade, enquanto o metrô faz 35% dos deslocamentos. “Seul se inspirou no nosso projeto de vias segregadas”, conta o urbanista. Essas pistas, exclusivas para ônibus, começaram a tomar forma em 1974 e transformaram Curitiba em referência de cidade que melhorou a infra-estrutura viária para dar vazão ao transporte de massa. A paisagem urbana preservada, ou revitalizada, é parte da qualidade de vida nas cidades. É por isso que, ao pensar em ampliar as soluções de transporte urbano, Curitiba construirá o metrô aproveitando canaletas criadas para as vias segregadas. Escavando apenas sete metros e sem necessidade de desapropriar imóveis, os custos das obras devem cair 50%, além de o impacto ambiental ser menor. As áreas superficiais, destinadas ao projeto, serão equipadas com parques lineares e outros espaços verdes, inspirados na experiência de Seul.As obras nos eixos Norte e Sul, por onde passará o metrô, ao longo de 22 quilômetros de vias, mais a nova infra-estrutura urbanística estão estimadas em cerca de R$ 500 milhões e devem ser concluídas em 2014. O planejamento de 22 estações leva em consideração o crescimento de 20% do número de passageiros nesses eixos, que atendem atualmente 416,9 mil pessoas por dia. O grande desafio de Seul agora é despoluir o rio Han, principal curso d’água da metrópole. O projeto exigirá ações de longo prazo, tal qual ocorre em outras megacidades, como São Paulo. O trabalho já começou com a recuperação das margens. “Eles têm mais de mil tipos de efluentes que terão de ser identificados para o processo de descontaminação”, conta Pinheiro Júnior. As primeiras intervenções já permitem o acesso da população à área próxima ao rio e atraem novos investimentos em áreas degradadas do entorno. Em todo o mundo, diz o urbanista, os especialistas buscam a humanização das cidades, agregando aspectos culturais, ambientais, sociais, entre outros, como valores indispensáveis à melhoria da qualidade de vida.
Complexo Tietê
No caso de São Paulo, com um programa complexo como a despoluição do rio Tietê, um dos grandes desafios, na opinião do urbanista, é fazer com que a população se aproxime dos espaços cortados pelo rio. “Como fazer isso em áreas adensadas ao longo das marginais Pinheiros e Tietê?”, ele questiona. “A cidade precisa de humanização, e os rios têm papel fundamental nesse processo.” Já o professor Mário Thadeu Leme de Barros, do Departamento de Engenharia da Universidade de São Paulo (USP), afirma: “Ainda temos grandes problemas sociais a resolver, o que torna complexos projetos de grande porte como é o caso da despoluição do Tietê”.
Alcançar 100% de coleta e de tratamento de esgoto lançado no rio Tietê é um desafio para mais dez anos. O cálculo é apresentado pelo diretor de Tecnologia, Empreendimentos e Meio Ambiente da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp), Marcelo Salles. Segundo ele, por enquanto a empresa mantém negociações com o Banco Interamericano de Desenvolvimento para financiamento da terceira etapa do projeto de despoluição, orçada em US$ 800 milhões.
Os recursos serão suficientes para, no período de 2009 a 2015, coletar 90% e tratar 80% do esgoto doméstico produzido na região metropolitana de São Paulo, onde se concentram 20 milhões de habitantes. Salles considera que o projeto em São Paulo alcançou resultados positivos. Ele menciona que, entre 1991 e 1992, a mancha crítica de poluição causada pelo lançamento de esgoto sem tratamento no Tietê chegava a Barra Bonita, a cerca de 300 km da capital. Ela foi reduzida a 160 km e alcança os municípios de Pirapora e Salto. “Ainda é um absurdo, mas acreditamos que cientificamente o Tietê não tem piorado”, diz ele. “Esse é o tipo de iniciativa que tem resultado a longo prazo. A recuperação do Tâmisa [rio que corta Londres], por exemplo, levou mais de 100 anos.” No Oriente, apesar de menos complexo, o problema foi solucionado rapidamente. É torcer para que ele inspire as tomadas de decisões por aqui.

fonte:Texto: Elizabeth Oliveira
Da Revista Sustenta

Você já viu cargueiros à vela? Elas tem uma tecnologia alemã que funcionam como as pipas e economizam até 50% de combustível - são uma alternativa lim

A vela tem formato de paraglider e flutua de 100 a 300 metros acima do nível do mar

Você certamente já ouviu falar de barco à vela. E de navio cargueiro à vela? A proposta também soou como brincadeira para os investidores no início do projeto, que encararam com ceticismo a idéia de uma vela movimentar um navio cargueiro. No entanto, a invenção alemã saiu do papel e hoje já cruza os oceanos do mundo todo.
Utilizada como sistema de propulsão auxiliar, o Skysails, como a criação foi batizada, pode reduzir o uso de combustível em até 50%, diminuindo assim a emissão de poluentes na atmosfera – 146 milhões de toneladas de CO­2 ao ano, a empresa calcula.
A vela tem formato de “paraglider”, 160 metros quadrados e flutua de 100 a 300 metros acima do nível do mar, onde os ventos são mais fortes. Ligada por um cabo à proa do navio, é controlada por piloto automático, e pode ser acionada ou desligada durante a viagem de acordo com as condições meteorológicas. “O Skysails funciona como uma asa de avião, só que é costurado com um tecido high tech ultraleve. Ele está equipado com sensores que medem a velocidade e a direção do vento. O autopiloto, então, o dirige de tal forma a aproveitar ao máximo a energia do vento”, explicou o inventor e engenheiro alemão Stefan Wrage à agência de notícias alemã Deutsche Welle.
Wrage conta que a idéia de construir uma vela propulsora de navios surgiu quando tinha 15 anos e seus dois hobbies eram empinar pipas e andar de barco. “A idéia veio depois que percebi a imensa energia gerada pela minha pipa em movimento”, ele descreveu ao jornal britânico The Independent. “No dia seguinte, andei de bote e notei que ele ia muito devagar. Então levantei a questão: por que não podemos usar a imensa energia do vento para movimentar barcos? Nunca entendi isso como impossível”.
Os investidores, porém, demoraram a acreditar, como Wrage, que o projeto era mais do que possível: economicamente viável. Segundo ele, depois de suas apresentações era considerado um louco. “As pessoas me falavam que não funcionaria, mas ninguém explicava por que achavam isso”, ele afirmou ao jornal britânico The Guardian. Em 2005, porém, o preço do barril de petróleo aumentou acima de US$ 60 o barril. “De repente, ficou muito mais fácil de levantar dinheiro”, conta Wrage.
Ainda assim, há quem não bote fé no Skysails. Mesmo a empresa tendo ganhado mercado nos últimos anos. “A indústria é, por natureza, muito conservadora e cuidadosa”, justificou Edwin Lampert, editor da revista Marina Engineers Review, ao Guardian.
De acordo com reportagem da Rede Globo, cada vela do Skysails custa em torno de R$ 5 milhões, ou um pouco mais de € 1,6 milhão, “um custo, segundo os capitães dos navios que já operam com o sistema, que pode ser recuperado em apenas 50 viagens transatlânticas. Ou seja, em 10 anos, no máximo, o investimento se paga só com a economia que o vento provoca.”
Fonte:Da Revista Sustenta | Foto: Divulgação

sexta-feira, 8 de maio de 2009

Bomba ecológica Foto: Reprodução Uma bomba super do bem Ao ser lançada, 'Seed Bomb' solta sementes para reflorestar áreas devastadas



A Seed Bomb é um conceito para uma “bomba” feita em plástico biodegradável que ao ser lançada solta sementes para reflorestar áreas devastadas. Segundo os designers Hwang Jin wook, Jeon You ho, Han Kuk il e Kim Ji myung, as bombas seriam lançadas por um bombardeiro, e trariam várias cápsulas em seu interior.

Cada cápsula teria um solo artificial com as sementes que seriam plantadas no local da queda. O solo artificial seria suficiente para a planta se manter sozinha, enquanto a própria umidade da planta não derrete o plástico.

Via Yanko Design.

Lily Allen se torna novo rosto de campanha da Chanel



O estilista Karl Lagerfeld escolheu a cantora britânica Lily Allen para estrelar a campanha da nova coleção de bolsas da Chanel.

Ela vai ser o rosto da campanha outono-inverno da marca francesa, segundo o Women's Wear Daily.
Lagerfeld disse que escolheu Allen porque ela é "divertida". Essa também é uma estratégia para dar uma imagem mais jovem à grife.

O próprio estilista vai tirar as fotografias da coleção, em Londres, na próxima semana.

Já a atriz francesa Audrey Tautou foi escolhida para representar o perfume Chanel Nº 5.

Leia mais

577 políticos recebem Bolsa Família

Dos 40 mil candidatos que recebiam a “ajuda” do Bolsa Família nas eleições de 2006 e 2008, 577 foram eleitos. O levantamento é do ministro Augusto Nardes, do Tribunal de Contas da União, que analisou o registro do Cadastro Único, onde ficam identificadas e caracterizadas as famílias segundo sua situação socioeconômica. O relatório do TCU apontou ainda 312.021 famílias que recebem o benefício irregularmente.

Economia

Caso o governo siga as determinações do TCU, haverá uma economia de R$ 26,5 milhões por mês; 3,11% dos gastos com o Bolsa Família.

O seu a seu dono

Não foi por mérito próprio que o governo criou o colegiado com membros dos Ministérios da Previdência e do Desenvolvimento Social para aprimorar o controle sobre o Bolsa Família. Foi exigência do TCU.
Como diria Boris Casoy Isto é uma vergonha!

Meu Deus que chuva é está

A chuva e, salvador não tem dando tregua então vamos orar a Deus para tomnar conta das pessoas que moram em locais perigosos e instaveis.

quarta-feira, 6 de maio de 2009

With Arms Wide Opend música de Creed. ( tradução) Com Os Braços Bem Abertos



É, acabei de ouvir as notícias de hoje
Parece que minha vida vai mudar
Fechei meus olhos, comecei a orar
E lágrimas de felicidade desceram rosto abaixo

Com os braços bem abertos
Sob o sol
Bem-vindo à esse lugar
Vou te mostrar tudo
Com os braços bem abertos
Bom, eu não sei se estou preparado
Pra ser o homem que tenho de ser
Vou respirar fundo, trazê-la pro meu lado
Paralisados pelo deslumbramento, acabamos de criar vida

De braços bem abertos
Sob o sol
Bem-vindo à esse lugar
Vou te mostrar tudo
De braços bem abertos
Agora tudo mudou
Vou te mostrar o amor
Vou te mostrar tudo

Se eu tivesse apenas um desejo
Um pedidozinho só
Eu torceria pra ele não ser igual a mim
Espero que ele seja compreensivo
Que ele abrace essa vida
Segure-a pela mão
E a apresente ao mundo
Com os braços bem abertos...

Friday I'm In Love (tradução) The Cure

Sexta-Feira Estou Apaixonado

Eu não me importo se Segundas são tristes
Terças são cinzas e Quartas também
Quinta eu não me importo com você
É Sexta-Feira eu estou apaixonado

Segunda-Feira você pode despedaçar-se
Terças, Quartas quebram meu coração
Quinta não devia nem começar
É Sexta-Feira eu estou apaixonado

Sábado espero
E os domingos sempre chegam muito tarde
Mas Sexta nunca hesite...

Eu não me importo se as segundas são negras
Terça, Quarta ataque do coração
Quinta nunca olhe para trás
É Sexta-Feira eu estou apaixonado

Segunda você pode por sua cabeça no lugar
Terça, Quarta fico na cama
Oh Quinta, assista às paredes
É Sexta-Feira eu estou apaixonado

Sábado espero
E os Domingos sempre chegam muito tarde
Mas Sexta nunca hesite...

Vestido para encher os olhos
É uma maravilhosa surpresa
Ver seus sapatos e a ascensão de seu espírito
Jogando fora sua carranca
E somente sorrindo ao som
E tão sagaz como um grito
Girando, rodando e rodando
Sempre dê uma grande mordida
É uma visão tão deslumbrante
Ver você comer no meio da noite
Você nunca pode ter o bastante
O bastante desta coisa
É Sexta-Feira eu estou apaixonado

Aqui em salvador a chuva não está dando trégua então vamos cantar, porque quem canta seus males espanta rssss


Meu caminho é cada manhã
Não procure saber onde vou
Meu destino não é de ninguém
Eu não deixo os meus passos no chão

Se você não entende, não vê
Se não me vê, não entende
Não procure saber onde estou
Se o meu jeito te surpreende

Se o meu corpo virasse sol
Minha mente virasse sol
Mas, só chove e chove
Chove e chove

Se um dia eu pudesse ver
Meu passado inteiro
E fizesse parar de chover
Nos primeiros erros

O meu corpo viraria sol
Minha mente viraria
Mas, só chove e chove
Chove e chove

Se um dia eu pudesse ver
Meu passado inteiro
E fizesse parar de chover
Nos primeiros erros

O meu corpo viraria sol
Minha mente viraria
Mas, só chove e chove
Chove e chove.....(bis)

Àdotar é tudo de bom



Se você se interessou em adotar este cachorrinho fofo vá ao site: wwwá.adotaretudodebom.com.br

Esta é uma campanha da Pedigree

terça-feira, 5 de maio de 2009

È covardia Ronadinho e Wolverine juntos rssssss

No Brasil para o lançamento do filme "X-Men Origens: Wolverine", o ator Hugh Jackman foi ao treino do Corinthians no CT do Parque Ecológico para conhecer o atacante Ronaldo





Still believe in love

Claire de Lune - Debussy


Sou bem ecretica quando o assunto é música só não escuto pagode sorry para quem gosta


Deus e eu no sertão isso é musica da terra ora!



Nunca vi ninguém
Viver tão feliz
Como eu no sertão

Perto de uma mata
E de um ribeirão
Deus e eu no sertão

Casa simplesinha
Rede pra dormir
De noite um show no céu
Deito pra assistir

Deus e eu no sertão

Das horas não sei
Mas vejo o clarão
Lá vou eu cuidar do chão

Trabalho cantando
A terra é a inspiração
Deus e eu no sertão

Não há solidão
Tem festa lá na vila
Depois da missa vou
Ver minha menina

De volta pra casa
Queima a lenha no fogão
E junto ao som da mata
Vou eu e um violão

Deus e eu no sertão

Letra de Deus E Eu No Sertão
Victor e Leo

Composição: Victor Chaves

Eu acho esta letra linda demais!!!!!!!!!!!!




De onde é que vem esses olhos tão tristes?
Vem da campina onde o sol se deita.
Do regalo de terra que teu dorso ajeita.
E dorme serena, no sereno e sonha.

De onde é que salta essa voz tão risonha?
Da chuva que teima, mas o céu rejeita.
Do mato, do medo, da perda tristonha.
Mas, que o sol resgata, arde e deleita.

Há uma estrada de pedra que passa na fazenda.
É teu destino, é tua senda.
De onde nasce tuas canções.
As tempestades do tempo que marcam tua história
Fogo que queima na memória acende os corações.

Sim, dos teus pés na terra nascem flores.
A tua voz macia aplaca as dores
E espalha cores vivas pelo ar.
Sim, dos teus olhos saem cachoeiras.
Sete lagoas, mel e brincadeiras.
Espumas, ondas, águas do teu mar.

Letra da música

Paula Fernandes - Jeito De Mato (novela Paraíso)
(Maurício Santin

Fonte: Vagalume

Universo Corpo Um passeio pelo universo que somos, nosso corpo, em suas múltiplas dimensões. Um flash sobre as múltiplas visões que compõem o campo te



São muitos os olhares possíveis para o complexo universo do corpo. Impossível abranger toda a sua vastidão, quanto mais descrevê- la em um simples artigo. Então a proposta é percorrer aqui somente alguns espaços deste universo que somos, segmentando alguns aspectos - sempre estando implícito que fazem parte de um conjunto de relações que vivem em dependência mútua. Nenhum destes aspectos por si só é capaz de abarcar toda a riqueza desta "singela complexidade" que nos compõe.

Portanto, a proposta desta reflexão é restrita, semelhante à de um passeio em grupo com tempo marcado. Não nos reteremos demasiado dissecando alguma paisagem nem pararemos para esmiuçar detalhes. Não estaremos numa viagem científica. Muitas coisas não serão percebidas, outras esquecidas, algumas só levemente delineadas. A idéia é irmos vendo, conversando, constatando, curtindo. Acredito que será mais agradável sem muita pretensão. Assim vamos.

P.S. Depois que terminei de escrever constatei o tamanho do texto. Impossível publicá-lo numa única vez. Portanto, aguardem desdobramentos nas duas próximas edições. Grato pela paciência.

A CASA/CORPO

"Neste instante, esteja você onde estiver, há uma casa com seu nome. Você é o único proprietário, mas faz tempo que você perdeu as chaves. Por isso fica de fora, só vendo a fachada. Não chega a morar nela. Essa casa, teto que abriga as mais recônditas e reprimidas lembranças, é o seu corpo. Se as paredes ouvissem... Na casa que é seu corpo, elas ouvem. As paredes que tudo ouviram e nada esqueceram são seus músculos. Na rigidez, crispação, fraqueza e dores dos seus músculos das costas, pescoço, diafragma, coração e também do rosto e do sexo, está escrita toda a sua história, do nascimento até hoje." Este texto foi escrito por Thérèse Bertherat. A metáfora da casa/corpo é uma primeira aproximação de uma consciência maior e necessária sobre o corpo humano. Podemos conhecer esta habitação e transformá- la e com isto romper o tradicional tabu contra o conhecimento de si mesmo? Sim, este é um caminho natural e possível. Mas ao conselho de Sócrates: "Conhece-te a ti mesmo" segue-se outro, mais difícil e profundo: "Seja você mesmo". Mas o que somos?
Muitas vezes começamos a responder às perguntas pelas vertentes mais complexas e complicadas e muitas vezes nos perdemos nas intrincações que produzimos. Podemos tentar o caminho inverso, pelo simples, e com isto abrirmos possibilidades para desvendarmos aspectos singelos e geralmente esquecidos. Apesar da afirmação de Camus: "O que é simples nos supera". O que somos? Simplesmente, e antes de mais nada, somos o nosso corpo, dos cabelos às unhas dos pés, dos olhos aos ossos. Aí está o nosso ser, que expandese e contrai-se - infinita pulsação - estabelecendo as mais diversas relações com o "mundo externo" e consigo mesmo. Somos nosso próprio corpo. Á esta aparentemente cristalina definição contrapõe- se várias concepções de ser humano que negam esta evidência. Historicamente, no ocidente, o homo sapiens foi dividido dualisticamente em corpo e alma, como o fez inicialmente Platão. Posteriormente esta concepção foi adotada pelo cristianismo e por toda a civilização ocidental. (...)

Fonte: Jornal bem estar por Ralph Viana
Central Blogs
Central Blogs

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Cena com carros em filme de Nicholas Cage causa acidente em NY


Um dublê que filmava uma perseguição de carros na Times Square em Nova York para um filme estrelado por Nicholas Cage chocou sua Ferrari contra a vitrine de um restaurante, causando ferimentos leves em dois transeuntes, informaram a polícia e os produtores do filme na segunda-feira.
PUBLICIDADE

O acidente, que aconteceu na manhã desta segunda-feira, foi captado num vídeo amador que foi postado no site do New York Post, www.nypost.com. O vídeo mostra dois carros "costurando" entre outros, até que o motorista do carro da frente perde o controle do veículo, sobe na calçada e se choca com a vitrine de um restaurante de cadeia italiana. O trânsito normal na Times Square tinha sido interrompido para as filmagens de "The Sorcerer's Apprentice", e todos os carros vistos no vídeo faziam parte da filmagem. A polícia disse que um homem de 23 anos foi atingido por um poste que caiu e se queixou de ferimento na cabeça e que uma mulher de 21 sofreu um ferimento no pé. Os dois ferimentos foram considerados leves, e o dublê que dirigia o carro acidentado não se machucou. "Nosso pessoal médico da produção que estava no local prestou atendimento imediato aos feridos, e os dois pedestres foram levados a um hospital para avaliação médica", disse um comunicado da produção de "The Sorcerer's Apprentice". O filme está sendo produzido pela Walt Disney Pictures e Jerry Bruckheimer Films.
"Uma pessoa já recebeu alta e nos foi dito que a segunda também, mas ainda não pudemos confirmar a segunda alta", disse o comunicado. "Todas as normas de segurança foram seguidas, e a segunda unidade de filmagem vai continuar os trabalhos, conforme o planejado." Previsto para chegar aos cinemas em meados de 2010, "The Sorcerer's Apprentice" (O aprendiz de feiticeiro) é a história de um universitário recrutado a contragosto para trabalhar para um feiticeiro, papel este representado por Cage. Ambientado na Nova York contemporânea, o filme é baseado no segmento desse título do filme animado "Fantasia", da Disney.
http://www.dotstore.com.br/dermexpress/?Menu=Desejos&Desejo=2697

Número 1 na Índia


Depois de liderar no mês passado a listas dos mais vendidos na Rússia, o último livro de Paulo Coelho emplacou o primeiro lugar também na Índia: recém-lançado por lá, O Vencedor Está Só superou o romance de John Grisham (O Associado) e entrou na lista direto no topo.

Nos EUA, na lista do The New York Times, o livro aparece em vigésimo-sexto lugar. Longe do topo, portanto, mas é o autor de língua não-inglesa mais bem colocado no ranking.
fonte:RADAR ON-LINE/Por:Lauro Jardim