Google+ Badge

quarta-feira, 16 de dezembro de 2009


quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Como sempre, a Maison Chanel surpreendeu mais uma vez. Realizado na última terça-feira, dia 6 de outubro, no tradicional Grand Palais de Paris, o desfile da marca ofereceu uma bela surpresa a todos os presentes.

Ao entrar, uma fazenda. Foi assim que o mestre Karl Lagerfeld apresentou a nova coleção. Uma decoração rústica, inspirada na granja de Maria Antonieta, rainha da França, que existe no Palácio de Versalhes.

Na plateia, celebridades como Prince, Claudia Schiffer, Anna Mouglalis, Virginie Ledoyen, Sean Lennon, Irina Lazareanu e Natalia Vodianova sentaram em bancos de troncos rústicos forrados com juta. A decoração utilizou 150 metros de guirlandas de flores silvestres, além de duas toneladas de argila, pilhas de feno, grama, restos de verde e palha, tudo para conferir o cenário campestre.

O início do desfile foi anunciado pelo canto de um galo. O silêncio tomou conta da sala. Como será a próxima coleção de verão proposta pelo kaiser? A grande estrela não deixou a desejar. Com leves toques coloridos, os lançamentos valorizaram, sobretudo, o artesanal.

Com muita feminilidade, o verão 2010 de Chanel faz um retorno à simplicidade. Vestidos fluídos com estampas campestres, peças feitas em crochê, casacos longos ou paletós curtos fizeram contraponto com pesados tamancos “sabot” de solados de madeira.

Ainda assim, a coleção conseguiu ser sexy. Bolsas e acessórios, como as sandálias no estilo campestre, eram decorados com flores, dando um toque poético aos looks. Calças largas de cortes acima do tornozelo e delicados cardigãs de tons pálidos, inspirados nas roupas que Mademoiselle Chanel usava em sua casa de campo “La Pausa”, fizeram referência ao conforto.

A grande dama já dizia: “O luxo deve ser confortável, do contrário não é luxo”. As tradicionais bolsas em matelassê deram lugar a cestas decoradas com flores e o monograma da marca. No final, a noiva de pés nus, com um buquê de flores secas, encerrou o desfile com simplicidade e descontração.

Como sempre, a marca deverá ser parâmetro para muitas outras ao redor do mundo. Por isso, nas próximas temporadas, é bem provável que coleções troquem os paetês pela simplicidade do artesanal, com peças em crochê, tricô, florais, rendas e fuxicos.

Mesmo fazendo referência ao campo, Karl Lagerfeld explica que não é uma coleção com apelo unicamente ecológico: “Não se trata de uma comunidade hippie anos 1960”. E continua: “A ecologia é uma coisa da qual sou totalmente a favor, mas é preciso dar um toque de moda, um pouco de sofisticação”.

Fonte:Núcleo de Pesquisa e Comunicação/UseFashion
Colaboração: Stella Pelissari/Paris

Lançado em Milão novo tecido à base de soja

Da Ansa, em Milão
Após a míriade de produtos alimentares a base de soja, como leite, queijo e macarrão, e o biodiesel obtido da mesma planta, agora também chegam os vestidos à Itália: um fio que tem a consistência e qualidade similar ao algodão e que, segundo representantes do setor, mostra um mercado em crescimento.

Obtida da semente, a fibra de soja é macia, delicada e mais resistente que a seda e o algodão.

Além disso, absorve a cor com um rendimento excelente e um trabalho simples: por isso a empresa Reda di Biella decidiu lançar no mercado, após um ano de trabalho, uma coleção de tecidos com um misto de lã e soja.

A novidade foi apresentada no salão de tecidos Milano Unica, que ocorre na Feira Milano City.

"Nos certificamos de que a soja seja de produção natural, porque nossa empresa sempre esteve muito atenta ao meio ambiente", explica Alessandro Goggi, da Reda.

"Nós compramos o fio já pronto e é um mercado que está se desenvolvendo."

"Estudamos esse novo tecido para antecipar as exigências de clientes cada vez mais atentos às inovações", diz Ercole Botto Poala, administrador da empresa. O preço, explica a empresa, é compatível com os demais produtos.

Entre outras características, a soja mostrou-se mais transpirável do que o algodão, por isso o tecido será usado também no verão.(ANSA)
Fonte;
Da Ansa, em Milão

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

DESFILE VIVIRE BARRA FASHION BRASIL 2010

Meninas ontem fui ao barra Fashion Brasil 2010 e asistir o desfile da VIVIRE moda prais achei 10+ vou colocar aqui algumas fotos para vcs bjosssssssssssssssssss













segunda-feira, 5 de outubro de 2009



Design é ver a vida de uma forma diferente!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

A Importância da Moulage na Concretização da Criação

O presente trabalho dedica-se ao estudo da importância da moulage para a concretização da criação. Esta técnica possibilita uma visão imediata da roupa em suas três dimensões. Indispensável, portanto ao trabalho de estilistas. O objetivo deste trabalho é mostrar a história da moulage através de importantes designers que estudam e a praticam com maestria e perfeição. Sua aplicação contribui para ser o diferencial (valor agregado) ao designer que busca o aperfeiçoamento da moulage em suas roupas, deixando-o apto para um mercado cada vez mais competitivo. As ilustrações do trabalho de diversos estilistas pelo mundo da moda e o registro da aplicação da técnica obtidas na Oficina de Moda Júnia Melo mostram a importância desta técnica.
Fonte:Rachel Rios Scherrer e Júnia Melo

Revistas apelam a gordinhas em busca da beleza 'real'

Os padrões de beleza no mundo editorial da moda estão em xeque, e as modelos esquálidas parecem estar com os dias contados. Pelo menos nas páginas de duas importantes revistas. A americana "Glamour" e a alemã "Brigitte" anunciaram nesta segunda-feira que suas modelos serão mais próximas do "real".
A revista "Glamour" trará em sua capa de novembro sete modelos nuas acima do peso - pelo menos para os padrões das passarelas. A publicação americana já havia feito sucesso em sua edição de setembro ao colocar a foto de uma modelo com a barriguinha à vista, a americana Lizzie Miller, 20 anos.
Já a "Brigitte", revista feminina mais popular na Alemanha, anunciou que não vai mais exibir modelos profissionais em suas páginas, substituindo-as por mulheres "comuns". A publicação alega que, ao estampar figuras magérrimas, acabou se distanciando de suas leitoras.
Na Semana de Moda de Milão, a adoção de padrões "acima das medidas" já não é novidade. Especialista em roupas de tamanhos maiores, Elena Mirò sempre apresenta suas coleções na fashion week italiana com modelos "plus size".
O desfile mais recente da estilista, ocorrido no dia 23 de setembro, contou justamente com a presença de Lizzie Miller, a mesma que causou polêmica - e também recebeu muitos elogios - ao exibir nas páginas da "Glamour" os "pneuzinhos" salientes.

Só um minutinho...Tô rindo.................

domingo, 4 de outubro de 2009

Você sabe o que é preciso para ter uma Grife?

Há algum tempo, recebemos um e-mail com a pergunta “como ter minha própria grife”. Você sabe? Para criar sua própria grife, não é necessário somente um grande investimento. É preciso primeiramente ter um foco para seu trabalho caso queira se especializar com roupas, bolsas ou acessórios, e ter bons contatos.
Para ter uma grife, você precisa de boas idéias, um forte conceito de marca e saber onde encontrar os melhores fornecedores e parceiros.

As empresas contam com uma equipe de estilistas, modelistas, costureiras, bordadeiras, estamparias e fazem todo o processo criando coleções voltadas ao seu’público-alvo e exclusivas, entregando a você o produto pronto, com a sua etiqueta de marca inclusive.

Para montar sua própria confecção, os custos são altos com máquinas de costura, máquinas de corte, mesas de corte, e os custos fixos também por se tratarem de contrataçào de funcionários especializados como estilistas, modelistas, pilotistas, costureiras, estampadores, bordadeiras, etc… o ideal para o início de uma marca é investir em um ótimo mostruário, um desenvolvimento de marca forte (como logo, outdoors, material de marketing, catálogo…) e concentrar-se na distribuição e venda dos produtos em território nacional ou internacional até.

Fonte:suppidesigns.com

Você sabe o que é preciso para ser estilista?

Segundo a wikipedia, Estilista é aquele que dita moda e cria coleções de roupas e acessórios, exercendo forte influência sobre a maneira como as pessoas se vestem. E ser estilista, não é apenas ser desenhista de moda, e sim criar um vestuário adequado a cada tipo de pessoa.
Quem deseja ser estilista geralmente tem o desejo cedo. É aconselhável fazer um cursinho de corte e costura e depois um de desenho. É importante também começar a estudar a história da moda, das marcas e de alguns estilistas principalmente na internet onde há um grande conteúdo.

Para ser um bom estilista, não é necessário costurar como um profissional e as vezes nem desenhar super bem. O importante é ter boa imaginação e criação. No curso Design de Moda serão dadas aulas de desenho, costura, modelagem, silk screen, etc…

Durante a graduação é muito importante tentar um estágio para entender como funcionam os departamentos e os processos dentro de uma confecção. Conhecer pessoas, fazer contatos e ficar por dentro das notícias de moda e desfiles será muito bom para seu começo além de aprender quem é quem no mercado.

Um bom estilista deve sempre pesquisar e procurar aprender mais, por a moda sempre está em movimento constante. Se você quer começar bem, é necessário muito esforço. O salário médio inicial pode variar entre 1,5 mil reais e 2 mil reais. Um patamar considerado alto para principiantes em qualquer profissão.
Fonte:.suppidesigns.com

Lindsay Lohan estreia como estilista em desfile de Ungaro



PARIS, França (AFP) - A atriz americana Lindsay Lohan apresentou neste domingo, em Paris, sua primeira coleção de moda junto à estilista espanhola Estrella Archs no desfile de Ungaro de prêt-à-porter feminino para o próximo verão.



A parceria inédita entre Archs e a jovem atriz, designada sua "assessora artística", é uma nova tentativa de dar fôlego à maison Ungaro, que, nos últimos anos, lançou vários criadores sem conseguir impulsionar as vendas.


A dupla Estrella Archs-Lindsay Lohan apostou numa coleção rica em vestidos de lantejoulas extremamente curtos.


A coletiva de imprensa ao final do desfile foi uma das mais concorridas e Lindsay Lohan não escondia seu entusiasmo: "I love fashion!".


Segundo ela, a coleção apresentada "é muito livre e muito feminina, ao mesmo tempo".


Lohan, atualmente mais conhecida por seus problemas com a justiça do que qualquer outra coisa, não deixou seu passado atrapalhar a alegria do momento e evitou as perguntas sobre o lado escandaloso de sua vida.

sábado, 3 de outubro de 2009

Viajantes étnicas, heroínas e ativistas marcam terceiro dia de desfiles em Paris

O terceiro dia de desfiles da semana de moda de Paris começou com a apresentação da coleção verão 2010 de Issey Miyake assinada pelo estilista Dai Fujiwara, com viajantes que carregam referências de vários lugares colecionando estampas e sobreposição de peças, amarrando tecidos, fazendo combinações improváveis. Destaque para os jeans com estampas localizadas.A coleção de John Galliano para Christian Dior foi uma continuidade da proposta apresentada no desfile de alta-costura da grife. Estruturas, materiais e referências ao universo da lingerie se destacam na coleção, ao lado das jaquetas acinturadas em looks clássicos inspirados em heroínas do cinema. Cores neutras, como preto, cinza e bege, predominam nas peças de alfaiataria e tons mais vivos, como vermelho e Pink, aparecem nos vestidos longos.
Vivienne Westwood levou seu Manifesto (movimento político, social e ambiental promovido pela estilista inglesa) às passarelas de maneira mais explícita. Mensagens como Do it Yourself (Faça você mesmo), alertas sobre mudanças climáticas e outras mais enfáticas como Get a Life (Dê um jeito na sua vida) aparecem nas roupas, que misturam referências de época com peças pop. Até um avental vira vestido, reforçando a mensagem da estilista que incentiva o consumo consciente.

Albert Elbaz intensifica o trabalho de volumes que cria para a Lanvin em impressionantes efeitos drapeados, torcidos que parecem soltos, mas foram milimetricamente construídos. Destaque para o tecido com efeito matelassado e as roupas totalmente cobertas com paetês, parecendo jóias. A cartela de cores foi inspirada em pedras preciosas.

Margin Margiela fez um dos últimos desfiles do dia, apresentando peças que pareciam inspiradas nos elementos terra, ar, água e fogo. Estampas de céu azul e praia aparecem em alguns looks, que depois parecem brotar com flores recortadas no tecido e até nas botas se cano alto. A seguir, a coleção ganha volumes mais rígidos em peças que parecem infladas ou estruturadas e vai ganhando materiais mais rígidos como couro.

Naomi Campbell mostra sua nova coleção para grife brasileira

Naomi Campbell mostra em primeira mão sua nova coleção para a grife brasileira 284. As peças chegaram ontem ao show-room da marca no Hotel Plaza Athénée, em Paris. Compradores de todos os cantos do mundo - até da Malásia - encomendaram suas pecinhas.As roupas, todas inspiradas no closet da top, chegam às lojas brasileiras dia 4 de novembro. E Naomi contou uma outra exclusiva: no próximo dia 24, ela recebe da Universidade de Harvard um prêmio por seus trabalhos filantrópicos. "Não pude fazer faculdade, pois trabalhei muito cedo. Esse prêmio me deixa muito honrada."

Vogue em crise?

Não sei se vocês chegaram a ver, mas no dia 1 saiu um artigo super interessante da Cathy Horynn no New York Times. É um daqueles que tem que ler. O título já é meio auto-explicativo sobre o conteúdo da matéria: What’s Wrong With Vogue (O que há de errado com a Vogue). Daí que Mrs. Horyn levanta uma série de fatores que contribuíram para o estado atual de uma das maiores e mais importantes publicações de moda ever: a Vogue America.Tudo começou com uma carta de uma leitora de San Diego. Dona Anna Wintour, que não é boba nem nada, publicou a reclamação da leitora na última edição de sua revista. Enfim, Kathryn Williams, a autora da carta, dizia com muita propriedade que “poderia fazer um calendário com as garotas das capas da revista, e provavelmente elas se repetiriam ano após ano”. E não é verdade? Quantas vezes a gente já viu a Carol Trentine, ou a Raquel Zimmerman ou então Gwyneth Paltrow na capa? E não precisamos nem ir muito longe, é só olharmos para irmã (ou seria filha?) brasileira da Vogue America. Quantas vezes Isabelli Fontana apareceu na capa da Vogue Brasil?

Por isso que eu super concordo com Kathryn Williams, que segundo Cathy Horyn conseguiu identificar com precisão o problema da Vogue: “a Vogue está ficando datada, estagnada, previsível”. E o que é mais chocante nisso é que está acontecendo apesar da participação de alguns dos melhores editores, fotógrafos e jornalistas do mercado.

Mas mesmo assim, a gente tem que reconhecer o potencial que Anna Wintour tem, né? Ela vem há 20 anos moldando a revista para refletir, como bem disse Cathy Horyn, mudanças no mundo e nas vidas das mulheres. De um jeito muito mais jornalístico do que de edição de moda, Mrs. Wintour vem dando tons bem reais para o conteúdo da revista, até mesmo em matérias meio fantasiosas como as da Grace Coddington e da Annie Leibovitz.

Quem imaginaria que um dia a Vogue ia conter matérias (e não apenas notinhas) relevantes sobre política e esportes. Não vamos esquecer que Anna Wintour chegou até a colocar uma primeira dama (que não tinha nada de semelhante com Jackie O, ou mais recentemente com Carla Bruni) como capa. Que revista de moda já fez ou tinha feito isso até então? Não estou querendo exaltar Mrs. Wintour, mesmo porque não sou lá muito fã dela, mas temos que reconhecer seu trabalho.

Mas também temos que reconhecer que faz muito tempo, mas muito mesmo (acho que desde os anos 90) que não vemos algo realmente chocante na Vogue America. Não é que não vemos nada de interessante ou bonito, bem pelo contrário, mas nada que seja muito incrível mesmo. E também não vemos nada disso na Vogue Paris, que pode ser mais provocadora, ou na Vogue Italia. Tudo começou com uma carta de uma leitora de San Diego. Dona Anna Wintour, que não é boba nem nada, publicou a reclamação da leitora na última edição de sua revista. Enfim, Kathryn Williams, a autora da carta, dizia com muita propriedade que “poderia fazer um calendário com as garotas das capas da revista, e provavelmente elas se repetiriam ano após ano”. E não é verdade? Quantas vezes a gente já viu a Carol Trentine, ou a Raquel Zimmerman ou então Gwyneth Paltrow na capa? E não precisamos nem ir muito longe, é só olharmos para irmã (ou seria filha?) brasileira da Vogue America. Quantas vezes Isabelli Fontana apareceu na capa da Vogue Brasil?

Por isso que eu super concordo com Kathryn Williams, que segundo Cathy Horyn conseguiu identificar com precisão o problema da Vogue: “a Vogue está ficando datada, estagnada, previsível”. E o que é mais chocante nisso é que está acontecendo apesar da participação de alguns dos melhores editores, fotógrafos e jornalistas do mercado.

Mas mesmo assim, a gente tem que reconhecer o potencial que Anna Wintour tem, né? Ela vem há 20 anos moldando a revista para refletir, como bem disse Cathy Horyn, mudanças no mundo e nas vidas das mulheres. De um jeito muito mais jornalístico do que de edição de moda, Mrs. Wintour vem dando tons bem reais para o conteúdo da revista, até mesmo em matérias meio fantasiosas como as da Grace Coddington e da Annie Leibovitz.

Quem imaginaria que um dia a Vogue ia conter matérias (e não apenas notinhas) relevantes sobre política e esportes. Não vamos esquecer que Anna Wintour chegou até a colocar uma primeira dama (que não tinha nada de semelhante com Jackie O, ou mais recentemente com Carla Bruni) como capa. Que revista de moda já fez ou tinha feito isso até então? Não estou querendo exaltar Mrs. Wintour, mesmo porque não sou lá muito fã dela, mas temos que reconhecer seu trabalho.

Mas também temos que reconhecer que faz muito tempo, mas muito mesmo (acho que desde os anos 90) que não vemos algo realmente chocante na Vogue America. Não é que não vemos nada de interessante ou bonito, bem pelo contrário, mas nada que seja muito incrível mesmo. E também não vemos nada disso na Vogue Paris, que pode ser mais provocadora, ou na Vogue Italia.

revistas


Mas isso é outro assunto. O problema é aqui é que a revista, além da previsibilidade e da repetição, está começando a perder seu potencial de conteúdo. Está ficando rasa. Antes a gente podia encontrar ótimos textos, sobre assuntos super interessantes na Vogue. Mas de um tempo para cá, parece que a vida de socialites que a gente nunca ouviu falar e que até nos questionamos se é mesmo importante se preocupar com as histórias delas, vem ganhando maior destaque. Um problema que é super recorrente aqui, né? As vezes a Vogue Brasil vem cheias dessas matérias que parecem ser um relato de amigas. Ou então com matérias que até poderiam ser interessantes, mas que aparecem de forma tão rasa que a gente tem que pensar duas vezes se aquilo realmente é importante ou vale um aprofundamento maior.

Eu só fui ver depois que li a matéria da Cathy Horyn, mas dá mesmo vergonha de ver como a revista está lidando com a recessão. Tudo bem que pode até ter aquilo de o público alvo não sofrer muito o impacto da crise, mas vamos com calma, né? A Vogue América tem uma circulação de 1,3 milhões de exemplares, não é possível que Anna Wintour – que dizem conhecer e prezar tanto pelos seus leitores – não levar em consideração que as pessoas vão sim passar por períodos de escassez de dinheiro e que isso vai influenciar a moda. Será que ninguém vê que se esta posição não mudar a revista vai deixar de ter esse apelo com a realidade e começará a perder a fidelidade de seus leitores?

Sem contar que a revista não muda sua cara e sei lá quantos anos, e parece desconsiderar por completo os impactos e importâncias de internet, das redes de relacionamentos e dos blogs e outras formas de conteúdo on-line.


Enfim, só achei importante falar do assunto aqui, já que dá pano para muita manga. Prometo que mais tarde, depois que botar a vida em ordem desse retorno das férias, continuo a discussão.

Fonte:About Fashion

Aconteceu para quem não ficou sabendo vale a lembrança Fashion’s Night Out


Fashion’s Night Out é uma ação conjunta dos maiores players da moda mundial para combater a recessão e celebrar a força da indústria fashion, incentivando o consumo em tempos de incertezas econômicas e retração do crescimento. Promovido por Vogue a partir de uma iniciativa de Anna Wintour, editora-chefe da edição americana da revista, e Jonathan Newhouse, chairmain da Condé Nast International, e endossado por empresários, lojistas, modelos e estilistas, o evento ocorreu no dia 10 de setembro, quinta-feira, em 13 capitais de três continentes, simultaneamente.

Lily Allen é louca por Chanel

A escolha da Chanel para a garota-propaganda de sua linha Coco Cocoon é a cantora inglesa Lily Allen, fiel cliente das bolsas da grife e presença certa nas primeiras filas de todos os desfiles da marca. A cantora, que se apresentou recentemente no Brasil, conseguiu o feito de deixar o estilista Karl Lagerfeld completamente embevecido.A nova linha da grife fundada na rue Cambon, em Paris, traz o sportswear de luxo, tão forte nesta estação. É um estilo que a própria Coco Chanel adorava, com bolsas tipo shopping-bag, carrinho e boliche. Combina tanto com o pretinho básico – para um passeio mais elegante -, quanto com a boa e velha dupla jeans e camiseta, evidenciando a elegância versátil típica da grife francesa.

As bolsas são feitas em nylon ou pele de carneiro, acolchoadas, em modelos como sacola, bolsa estruturada (tipo boliche), de viagem e também nécessaire e clutch. Todas em versões mini e maxi, em cores que variam entre preto, bege, chocolate, vermelho, cinza e dourado.

De acordo com os porta-vozes da grife, a empolgação de Lily com a coleção foi tanta que ela, conhecida por seus looks hi&lo, ficou com uma peça das fotos. Embora o precinho não seja tão acessível (os valores são a partir de € 750) é esperada grande fila na porta no dia 10 de outubro, quando a coleção chega às lojas.

Li Edelkoort conduz inspiradora palestra no Auditório Ibirapuera, continuação


A pesquisadora de tendências Li Edelkoort passou o dia com a redação de Marie Claire, por quem foi convidada à primeira edição de um projeto que pretende reunir anualmente profissionais de comunicação e moda para refletir sobre a criatividade. O evento chamado Inspiração ocupou em sua primeira edição o Auditório Ibirapuera, em SP, na chuvosa tarde desta terça, 22.Em sua primeira visita ao país, chegou a cidade na segunda, 21, gravou uma entrevista com a estilista Chiara Gadaleta, da marca Tarântula, para seu programa no canal GNT “Tamanho Único”. No dia de sua apresentação, chegou cedo ao local e recebeu a diretora de redação Monica Serino e as editoras de moda Sandra Bittencourt e Camila Lima para almoço leve e um papo bem animado.
“Precisamos pedir pra ligar o ar-condicionado, não quero ninguém dormindo enquanto estiver falando”, divertia-se a hiperativa investigadora do futuro da moda e do consumo. Sempre preocupada com a maquiagem (não largou do batom e pediu pro maquiador reforçar suas sobrancelhas), comentou sobre os principais projetos de seu estúdio de tendências em Paris (com uma filial em NY e uma representante em São Paulo há poucos meses).
Em especial, falou de um projeto que fez para a matriz francesa de Marie Claire, em que estudou a publicação para melhor apresentar ao mercado publicitário sua mentalidade. Este é, por sinal, o conceito que segue em todo seu trabalho de pesquisa. “Números de audiência e circulação não significam mais nada. Dados demográficos já eram, nem gêneros existem mais. Temos que identificar a mentalidade da pessoa dentro do grupo que ela pertence.” Também sugeriu para uma versão brasileira da Marie Claire Maison, caderno francês de design e decoração que ela diz amar.
A primeira palestra rolou às 15h para um grupo pequeno de convidados especiais, sobre como a noção de individualidade perdeu o sentido e como é preciso os comunicadores compreenderem novos envolvimentos afetivos entre as pessoas, sua família e os produtos que consome. Duas horas depois, abriu-se o auditório propriamente dito e para a platéia quase lotada indicou os valores que devem aparecer nas coleções do verão 2011, que só serão desfilados em meados de 2010 e só devem chegar às lojas em dois anos!Seu conteúdo é essencialmente visual, misturando retratos de moda com elementos naturais e objetos de arte para definir formas e texturas abstratas. Deu uma aula de referências não só para a moda mas para todo trabalho criativo, usando o percurso da água - da nascente ao fundo do oceano – para conduzir suas inspiradoras visões sobre o que deve se confirmar nas passarelas, nas vitrines e nas ruas. Nossas impressões sobre o conteúdo das duas palestras você confere na próxima edição da revista. Até o próximo Marie Claire Inspiração em 2010!
Fonte:http://colunas.marieclaire.globo.com

sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Convidados discorrem sobre inspirações de Li Edelkoort!! Eu estive lá !

A primeira edição do encontro Marie Claire Inspiração teve a “trend forecaster” Li Edelkoort como estrela do primeiro encontro, apresentando as referências para o verão 2011. O evento teve patrocínio de Electrolux, Intimus e Nívea e vários convidados da moda e da publicidade.

“Design não é apenas a forma, mas também a parte sensorial, a textura, a cor. É este o tipo de informação que buscamos ao entrar em contato com as pontuações de Li e também com nosso público-alvo, para poder criar produtos que atendam cada vez mais às necessidades e vontades das mulheres”, apontou Luis Fernando Zeni Filho, gerente de design da Electrolux, que ressaltou ainda que um evento como esse permite conhecer melhor os anseios das mulheres, principal foco da empresa na criação dos produtos.

Já Maria Laura Santos, diretora de marketing da Nívea, relacionou a posição da empresa com dois dos ensinamentos de Edelkoort: de que é preciso sempre olhar para o futuro, nunca para o passado, e também de que é preciso pensar simultaneamente de forma local e global – estar de olho nos consumidores daqui e também no mercado internacional. “Usamos as explicações da Li como forma de inspiração e antecipação do comportamento dos nossos consumidores”, explicou Maria Laura.
Acima, a DJ Patricia de Jesus, que tocou no coquetel do evento; o estilista Lorenzo Merlino, o PR Helio Calfat e a apresentadora Laura Wie

O estilista Walter Rodrigues diz não acreditar em tendências. “Acredito na inspiração. Tendências são para as grifes de fast-fashion”, determinou. Ele sentou-se entre os cem convidados da primeira palestra, que falou mais de comportamento social, em que Li discorreu sobre as diretrizes que os empresários deveriam seguir para manter-se atualizados. “Assisti uma palestra dela em Paris na semana passada! Fiquei impressionado. Ela nos deu uma perspectiva muito feliz do que será o pós-crise. E eu concordo, acredito que a crise seja apenas financeira e não da criatividade”, romantizou.

Outro que diz não ser muito adepto a tendências, o estilista Lorenzo Merlino acompanha o trabalho de Edelkoort pela revista “View On Colour” – na qual ele diz que muitas peças suas foram utilizadas como referência e que sempre absorve sem muitas regras o que os pesquisadores do assunto têm a dizer. “Nos anos 90, se você não seguia as tendências exatas daquela temporada, o mercado não te aceitava, você estava fora. Hoje as tendências são mais como uma sugestão, e o mercado leva numa boa segui-las ou não”, declarou Merlino. “Acredito que hoje em dia os trabalhos estão divididos entre os estilistas mais autorais, dos quais você vê uma peça e já te remete a eles, e os que seguem as tendências, completou. A tendência para essa temporada? “Minha aposta são as cores, especialmente as cítricas”, afirmou.
Nas fotos, Eduardo Leite (editora Globo), Maria Laura Santos (Nívea) e Fernando Zeni (Electrolux); Eduardo Isula (editora Globo), Michele Oliveira, Priscila Marchezini e Andrea Garcia (Marcolim); Neusi Maria Drigano (editora Globo), José Porto, Regina Madeira, Luciana Serra (F/Nazca), Arlete Sannomiya (Globo) e Juliana Melo (F/Nazca); Alexandre Barsotti (globo) Alice Orlando, Arlete Sannomiya e Mari Maccabelli (Publicis)

Para Tatiana Guimarães, analista de mídia da Ellus, o evento colabora muito para que eles saibam o que o público quer, e com isso possam enriquecer seu manual descritivo de marketing para apresentá-lo em convenções que fazem para seus vendedores e franqueados, explicando, por exemplo, como os vendedores podem absorver as inspirações apresentadas por Li. “Em outubro teremos outra convenção, e estamos ansiosos para apresentar o que vimos aqui para os que trabalham conosco”, confirmou.

A estilista Chiara Gadaleta Klajmic, que conhece a palestrante desde os seus tempos de modelo e da época em que estudou em Paris, contou ter ficado maravilhada após ouvir suas idéias mais de perto ao entrevistá-la para o programa Happy Hour, do GNT. “A entrevista foi toda em francês, e eu gostei muito da parte em que ela fala que a maior tendência é a valorização do indivíduo”, contou. Chiara também ressaltou que uma tendência dos dias de hoje é a volta da televisão como referência forte, papel que antigamente era do cinema. “Gosto da Li porque isso tudo que ela apresenta nos faz pensar. Como, por exemplo, a questão da moda e sustentabilidade, que pretendo trabalhar mais na minha grife”, ressaltou Chiara a respeito de sua marca Tarântula.

Fonte:http://colunas.marieclaire.globo.co

Maquiador brasileiro ensina a beleza de Paul Smith

O maquiador brasileiro Marco Antonio já fez trabalhos para Versace, Armani e Gianfranco Ferré. Em Londres desde 2002, ele fez parte da equipe de Petros Petrohilos para a beleza do desfile de Paul Smith na London Fashion Week. Abaixo, ele descreve para Marie Claire o passo a passo do look.

“O look consiste basicamente de uma pele perfeita e natural com quatro cores diferentes de batons secos: azul-celeste, laranja, verde, e magenta. As cores dos lábios foram definidas para complementar a coleção. Um pouco de definição no olho feita com brilho nas pálpebras. Rímel transparente nas sombrancelhas para penteá-las. Base nas pernas e nos braços para um tom de pele saudável.”

SUZY MENKES Prada: Não tão clara como cristal !!!!!

MILÃO — Com projeções na parede variando de um lustre brilhante a uma praia ensolarada, a coleção da Prada iluminou o verão 2010 de Milão nesta quinta, 25. Pedaços de cristais gotejando dos sapatos, dos vestidos ou como correntes sobre shorts curtos, competiam com estampas da vida como uma praia – uma inesperada combinação típica da moderna porém misteriosa visão de sua fundadora/estilista.
“Praia e antiguidade – high & low – é tudo a mesma coisa,” disse Miuccia Prada no backstage. “É pra ser uma ironia – às vezes nostálgica, como um olhar contemporâneo em antiguidades para aqueles que não entendem a beleza do passado”. Mas este era o olhar esquisito e arrojado da Prada sobre a beleza: mulheres-crianças com gambitos de Bambi, lábios escarlate e cabelos bagunçados jogados pra trás. Elas vieram primeiro em shorts curtíssimos em cinza-aço, jaquetas amplas, às vezes com as barras sem acabamento e um pedaço de tecido solto atrás. Bolsas transparentes de plástico, talvez com fechamentos de cristal, competiam com os sapatos-lustre. As roupas eram tão leves quanto a coleção de inverno foi grossa e pesada. Mas havia do mesmo senso de perigosa sexualidade, quando uma modelo veio em terninho esportivo sob uma capa. O tema de praia foi uma desculpa não tanto pela estamparia de palmeiras e espreguiçadeiras quanto pela esportividade que percorreu a coleção. Tire os brilhos todos – como os vestidos de tela de cristais que fecharam o desfile – e você só teria um top e um par de shorts arredondados.
Este foi uma das coleções mais oblíquas da Sra. Prada, pela descombinação de glamour clássico e roupas que pareciam ao mesmo tempo comuns e inacabadas, o que se tornou um quebra-cabeça. Ficou parecendo que ela, que vinha mostrando roupas para adultas, quis capturar o elusivo momento da juventude.

Fonte:SUZY MENKES, do “International Herald Tribune”, com exclusividade para Marie Claire no Brasil

Montar looks trendy e que traduzam o seu estilo no dia a dia já não é tarefa fácil né? E quando chega o verão\praia, que a gente tem que se virar com 2 peças minúsculas, saída de banho e nem pode usar salto? Bem complicado…

Pois é, essa estação também me apavora pelo fato de eu ser super mão de vaca com saídas de banho e afins. Sempre morro de preguiça de montacións “praianas”! hehe

Pensando nisso, resolvi bolar esse post falando de alguns “atualizadores” legais, que podemos comprar aos pouquinhos ou até adaptar com coisas que já temos e nem lembramos!

•Mix ‘n’ Match! O arô tá curto pra comprar biquínis novos? Super vale dar uma boa olhada na gaveta e tentar fazer combinações com as peças que você já tem! Procure misturar peças lisas com estampadas, lisas em cores diferentes ou até duas de estampas diferentes mas nos mesmos tons!
•Nécessaires divertidas! Todo mundo precisa carregar filtro solar, bronzeador, elásticos de cabelo e lipbalms né? Porque não colocar tudo em uma bolsinha charmosa? Aposte em modelos dourados ou em animal print colorido…
•Ray ban Clubmaster! Ninguém está falando pra aposentar o Wayfarer (adoro o meu!). Mas ,se for investir em um novo modelo da marca, experimente o Clubmaster! É o novo queridinho das celebs…
•Camisetas extra large! Essa é uma opção muuuito legal pra variar as saídas de banho sem gastar muito…ou nada! hehehe Cate uma tshirt podrinha bem grande do boy\pai e se jogue! Se tiver bolsinho melhor ainda viu?
•Lenços! Qual o cabelo que resiste intacto aos poderes do trio maligno sol, vento e mar? Amarrar um lenço bonito na cuca resolve o problema né?
•Sandálias! Levante a mão aí quem não fica tentada quando vê um novo modelo de sandália de borracha? Seja ela Havaiana, Ipanema ou Dupé, é sempre uma delícia renovar a coleção a cada verão! Se ligue nas edições especiais (Farm e Daslu tem modelos lindos!) e fique bem “exclusiva”…
•Esmaltes coloridos! Preciso reforçar? A gente já tá amando há um tempão essa tendencinha de unhas ultra chamativas. Quero um rosa neon urgente!
•Chapéu! Fedoras e cowboys já passaram da validade, mas ainda dá investir em modelos Panamá mais grandinhos (como o da Nicole Richie na montagem) e aqueles bem rycos com abas gigantes…protegem do sol e ainda complementam o look!
•Bijus turquesa! Segundo blogs, revistas e vitrines (ou seja, todo mundo! kkk), as bijus e semi-jóias com pedras turquesa estão chegando com tudo! Aposte em colares longos e anéis grandes…
•Tote bags! Goyard e Vuitton não são opções tão “amyghas”, mas vale se inspirar nesse tipo de modelo na hora de comprar sua beach bag! Amei essas da Jessica Kagan…
•Túnicas! Outra boa escolha pra quem não aguenta mais batinhas. Olha que linda essa túnica que a Blake Lively usou dia desses! Com essa estampa alegre o look não precisa de mais nada né?
•Tecidos diferentes! E pra quem vai investir em um “biquininho” novo, que tal dar uma variada e escolher um tecido diferente? Plush e veludo molhado estão super em alta, olha que ryqueza esse modelo pink da Paola Robba!
Fomte:www.garotasestupidas.com

terça-feira, 29 de setembro de 2009

Crianças na Moda.

O mercado de moda infantil, está cheio de novidades. No dia 17/10, ele ganha mais uma: a marca mineira Coven, do line-up do Fashion Rio, lança a linha The Little Coven, cuja faixa etária vai do baby aos 10 anos.

De acordo com a proprietária Liliane Reheby, essa primeira experiência partiu de uma carência do próprio varejo: “Veio de uma necessidade minha como mãe. A gente sempre procura algo que seja novo, mas nem sempre encontra. Além disso, o infantil é bem sedutor, as costureiras amam fazer”.

Pra primeira coleção, foram confeccionadas 45 peças, divididas entre masculino e feminino. Um dos destaques é a inclusão dos meninos – afinal, a Coven sempre trabalhou com foco nas mulheres. Liliane ainda salienta que, neste lançamento, as estampas terão o mesmo DNA da linha adulta, mudando apenas a modelagem. “A estamparia partiu do próprio trabalho de pesquisa do ‘adulto’. Já nas próximas, faremos peças mais exclusivas”, explica a empresária. A seção kids da Coven poderá ser encontrada na loja própria em BH (r. São Paulo, 2.159, Lourdes) e em outros 15 pontos de venda na capital mineira.

SEM UMBIGO

Quando eu vi o figurino da Lily Allen no palco do Rock Werchter, lembrei muito de uma frase que ouvi no SPFW ” estômago de fora é tudo”. Estranho eu sei, mas na verdade é que a barriga de fora está menos vulgar ( ou nada vulgar) com a cintura alta que esconde o umbigo e mostra o “estômago” com um top ou miniblusa, o legal é que fica chique, sofisticados, com ar de 50’s e naaaaaaaada de mulher fruta! O desfile do Reinaldo Lourenço teve os melhores “estômagos”,
Fonte:hampagnedascinco.wordpress.com

STREET FASHION WEEK

Os looks das “It Girls” que frequentam as semanas de moda estão sempre atualizados sobre as tendências que tanto falamos por aqui. E entre Milão, Londres e Nova York, escolhi 9 fotos do que eu achei de mais interessante do street fashion week do site da Elle .

Ombros, cintura marcada em vestidos estampados, jaquetas, coletes, boyfriend sizes, ankle boots, oxfords, short, transparência, calça carrots e saruel, franjas… Enfim, não é apenas a passarela que tem algo a nos dizer. Tem muita informação nos bastidores também.


Fonte:hampagnedascinco.wordpress.com

Boyfriend Style

Parece que os looks masculinos invadiram de vez a moda feminina. A ordem é abrir o guarda-roupas do namorado e surripiar calças, camisas, acessórios… É o “Estilo boyfriend”. Começou discretamente e depois de adotado pela Katie Holmes, virou febre.

Ok. Não tem armárido de namorado pra invadir? Não tem problema. Siga algumas regras básicas e arrase por aí no melhor estilo despojado





Fonte:/www.vestemoda.com.br

Por que vestir-se é fácil e parecer bem é difícil?

A evidência está bem lá no seu guarda roupa, exatamente naquele canto.....

Lá estão todas as pobres e órfãs peças, penduradas, limpas, não usadas e não amadas, muitas ainda com a culpa invisível nas etiquetas penduradas que parecem terem sido planejadas para nos lembrar de quanto pagamos por elas ou como elas foram pouco usadas. Estas são as roupas que toda vez que colocamos e observamos nosso reflexo no espelho ficamos desapontadas. Você pergunta a si mesmo, “O que me deu para comprar isso?” Ou “Como pude ser convencida pela vendedora que eu estava fabulosa com isto?



Todos nós somos em algum momento ficamos loucos para comprar algo novo, algo especial, alguma coisa que nos faça sentir maravilhosos! Com dinheiro nos bolsos e um cartão de crédito para consumir com antecipação, nós vasculhamos as lojas atrás daquela peça tão especial, apenas para não voltar para casa com as mãos vazias ou apenas para ter o que fazer no caso, experimentar roupas e preencher nosso desejo de comprar algo.Como resultado nosso guarda roupa gradualmente começa a lembrar uma loja de departamento e na verdade apenas contém uns poucos itens que realmente nos fazem sentir bem e vestimos apenas estas peças a maioria do tempo deixando as outras penduradas no silencio e na escuridão. Comprar torna-se um dever, sucesso uma questão de sorte e encontrar itens que nos façam sentir ótimos parecem ser mais difícil a cada ano.
Por que isto acontece:
•Somos influenciados pela opinião de pais, amigos, namorados, maridos, etc..
•Nós não somos ensinados sobre forma física, as dinâmicas do vestir ou linha e design enquanto crescemos.
•A moda está constantemente mudando, dizendo-nos uma coisa e depois outra.
•Com o tempo nós ficamos imaginando se está ok usar certos tipos de roupas e acessórios.
•Nosso corpo muda de forma através do tempo: gravidez, menopausa, doença, idade, ganho ou perda de peso.
•Estamos sempre ocupados e com menos tempo para procurar pelas roupas e acessórios adequados.
•Nossa personalidade, estilo de vida e valores mudam através do tempo.
•Nós experimentamos mudanças em nossa posição financeira.
•Alguns desenvolvem expectativas pessoais muito longe do razoável.
Ainda bem que estes dilemas podem ser resolvidos de uma vez por todas!

Quando você terminar você terá um guarda roupa que:

•Está cheio de roupas que você gosta e usa
•É uma fonte de inspiração fazendo com que a escolha de cada dia do que vestir seja fácil e interessante
•Contenha cores e estilos que façam você se sentir e parecer ótima e combinem com sua personalidade e que possam ser combinados entre si.
•Acessórios que levantem o visual ou alterem totalmente o look.
•Contém roupas e acessórios que combinam com seu estilo de vida.

O que recomendo;

•Retire as peças que não usa.
•Organize o que sobrou.
•Preste atenção ao seu corpo.
•Veja o que precisa comprar para coordenar com os itens que restaram, o que combina com você e o seu estilo de vida.
•Procure um profissional para auxiliá-lo ou leia sobre moda, linha e design.

Fonte:www.vestemoda.com.br/