Google+ Badge

sábado, 12 de fevereiro de 2011

A grande falácia – Questionamentos sobre a mentira em nossa sociedade

É mentira! Vivemos em uma grande e infindável mentira. Olhe a sua volta, tudo é envolto em máscaras das desilusões infinitas. Todo mundo mente e todo o resto tem ciência disso. Mentimos para os outros e muito mais para nós mesmos. Aceitamo-las como absolutas e inquebrantáveis
É mentira! Vivemos em uma grande e infindável mentira. Olhe a sua volta, tudo é envolto em máscaras das desilusões infinitas. Todo mundo mente e todo o resto tem ciência disso. Mentimos para os outros e muito mais para nós mesmos. Aceitamo-las como absolutas e inquebrantáveis verdades. Verdade? Não, não, tudo menos isso, pelo amor de Deus, faço o que quiser, mas não me venha com verdades. A mentira é conveniente, a mentira é institucionalizada e… desejada por todos nós!
O tema desse artigo surgiu há cerca de uma semana quando analisando o meu cotidiano, olhei em volta e…
Na televisão mostra e se fala aquilo que não se cumpre ou inexiste. Políticos esbravejam o asco de inverdades que parecem ser congênitas. Telejornais distorcem em tênues graus frescas notícias de acordo com a conveniência de suas corporações. Filmes e novelas encenam o que jamais aconteceria na vida “real” (eu sei que em parte é a função deles, mas há tanta gente que acredita fielmente naquilo). É o ator que pela manhã está em passeata contra as drogas e à noite, na balada, cheirando cocaína; o corredor que chora no pódio pela sua medalha de ouro e derrama as mesmas e ardidas lágrimas no dia seguinte por ter sido descoberto dopado; o apresentador que faz juras de amor à esposa enquanto todo o planeta e, o que é pior, até o próprio cônjuge, sabe que ele tem uma amante, ou várias.
Mente aquele que diz que nunca mentiu!*         

Nas livrarias lê-se a mentira travestida de seriedade. Opúsculos tendenciosos, livretos de como manter os cabelos, assinado por um autor careca, periódicos que nos mostram corpos manipulados pela tecnologia, levando mulheres à loucura por sonhar com algo que só é possível nas penumbras de salas dos computadores. Revistas que cospem a felicidade de famosos, mas que não retratam a realidade nem de lá, nem de cá, intelectuais de botequim, “obras” que não dizem nada…
Nas ruas só se escutam reclamações, fofocas, insatisfações e críticas por parte dos transeuntes o que, sempre me dá a impressão que não há ninguém jamais satisfeito ou feliz, ou seja, em outras palavras, mentiras e mais mentiras. Foram raríssimos os momentos nos quais escutei algo de interessante, construtivo ou verdadeiro…
Nas academias onde ministro aulas, depara-se constantemente com a patética tentativa de se parecer com aquilo que não se é, com corpos pulsando em músculos gerados pela química da insegurança, profissionais das mais diversas disciplinas utilizando hipocritamente o adágio de que faça o que digo, mas não faça o que faço, com o descomunal desespero de fugir do envelhecimento natural do corpo físico…
Enganar a si próprio é como apagar incêndio com querosene, só aumenta o estrago*.
Acordamos e mentimos que hoje será diferente do que ontem, mas… como poderia ser se as ações continuam as mesmas do dia anterior? Nos alimentamos com pressa, presumindo que um dia, ela, a pressa, vai desaparecer sem nenhuma iniciativa mutante de nossa parte. Chegamos ao trabalho e mentimos descaradamente ao abraçar sorridentes pessoas das quais não gostamos; estipulamos prazos que sabemos que não iremos cumprir; gritamos internamente que este será o último ano na empresa, pois merecemos ser valorizados e não foi pra isso que fizemos aquela faculdade, que diga-se de passagem, nem queríamos cursar mesmo; fingimos gostar da promoção do companheiro.



Em seguida, saímos para almoçar com colegas de trabalho que nem mesmo conhecemos e nem fazemos questão de que isso aconteça, sentamos à mesa já dizendo: ai meu regime, mas amanhã eu juro que começo pois não posso deixar passar esse prato, afinal ninguém é de ferro e sem radicalismo né?   Terminamos o expediente e vamos ao nosso lazer: cursos, esportes, Yôga… e lá “enrolamos”, encontramos velhos conhecidos que convidamos para um jantar que ambos sabem que nunca irá acontecer, chegamos em casa e mentimos a pessoa amada ou vamos para festas nas quais fazemos de tudo e mais um pouco para mentir, seja através de álcool, drogas ilegalizadas ou qualquer outra coisa que esconda a verdadeira realidade por trás dos fatos.
Por isso que é “fácil” compreender quando médicos especializados em alimentação e nutrição “babam” aos quatro ventos que é impossível o corpo humano viver saudavelmente sem a ingestão de carnes. Afinal, aprendemos a mentir desde a gestação, é só mais uma mentirazinha inócua. No entanto, nada pode ser considerado assim, pois como todos sabemos, qualquer minúscula ação, por mais inocente e sem sentido que possa parecer, terá sua reação correspondente.
Mentirinhas alimentares: olhamos para o outro lado quando alguém nos diz que aquele pedaço de bife no prato sentiu muita dor ao ser aniquilado. A falácia das imagens de bichanos felizes nas embalagens de carnes de porco, boi, frango e peixe. “O puxar a sardinha”, com perdão do trocadilho, na publicação de científicas pesquisas sobre a inviabilidade do vegetarianismo. As falsas justificativas de quem se alimenta dos músculos de outro animal. A modinha estabelecida pela mídia das celebridades de somente comer carne branca. O esbravejar não sincero de que um dia pararemos de comer bichos.
Pode ser que como no filme o Mentiroso com Jim Carrey, no qual ele recebe uma maldição de ter que somente falar a verdade, o mundo a princípio, entraria em um pequeno colapso, sobretudo no que concerne aos relacionamentos com outras pessoas, mas talvez, com o tempo descobríssemos que isso tudo a nossa volta é uma grande mentira, que a vida é a maior delas e quem sabe neste instante perceberíamos que não precisaríamos mais mentir.

*Aforismos retirados do recém-lançado livro de Fábio Euksuzian, A Ancestral Arte da Poesia.

Por Fábio Euksuzian


Who’s Next & Première Classe Janeiro 2011 – Balanço da edição em plena potência!

As feiras WHO’ S NEXT e PREMIERE CLASSE terminaram terça-feira 25 de Janeiro, após 4 dias de apresentação das coleções inverno 11-12. No total passaram as portas do hall 01 e 2.2, 54.182 visitantes, marcando uma progressão de 4% em relação à Janeiro 2010. O domingo particularmente foi animado com um pico de 19.448 pessoas, seguido pelo sábado e segunda-feira, sendo a terça-feira, ligeiramente mais calmo.
Esta sessão favoreceu-se mais uma vez da sinergia entre ambas as feiras profissionais e testemunhou um comparecimento forte de visitantes franceses (+2.1%) e internacionais (de +6.7%): 65% da França (isto é 35.030 visitantes) e 35% de estrangeiros (19.152 visitantes). Os italianos, os espanhóis, os belgas e os japoneses mostraram seu compromisso com a feira, com aumentos que variam de 13 até 24%.
Novidade que favorece vendas
Com mais de 25% de marcas novas, a WHO ´S NEXT e a PREMIERE CLASSE tem confirmado mais uma vez sua posição como observadores de novos  talentos. E para sublinhar este posicionamento, nossa organização não hesitou em dar destaque em toda identidade visual, assim como no desfile dos jovens criadores, que representam a nova guarda da criação internacional.
Philippe Commault, comprador fiel da WHO’ S NEXT, que possui cerca de 25 lojas no Oeste da França (Kaki Crazy, C Back e Crazy Republic) está convencido: “Nós que estamos atrás de novidades, é em Paris que vamos encontrar. A relação qualidade x preços, são excepcionais”.
Através de FAME o ATELIER, novo espaço que agrupa uma dezena de marcas à entrada do universo FAME, a WHO’ S NEXT quis apostar na gama criativa de produtos high-end e para multimarcas cada vez mais seletivas e na procura de estilo tanto quanto exclusividade. E a aposta parece ter funcionado. Sam Attye, o fundador de Simoné Sauvage, que apresentava as suas coleções pela primeira vez, declara “ter feito uma boa feira e de ter apreciado muito este espaço privilegiado onde houve muita passagem. As pessoas pararam, questionaram, e o melhor de tudo… pedidos concluídos!”.
Para Christophe Rozenbaum, líder do grupo Women Dept. (Et Compagnie, R867 e So Soon)  que expôs também pela primeira vez à WHO’ S NEXT, na extensão do universo PRIVATE (hall 2.2), o entusiasmo é similarmente comunicativo. “Era reticente à ideia de ser presente sobre este novo espaço. Mas os meus temores desapareceram a partir do primeiro dia. Apesar do fato de estarmos ao anexo do hall 1, vimos gente de todo mundo. Não menos de 80 novos clientes, entre eles detectamos lojas mais antenadas e de alta gama que nas outras feiras que temos frequentado. A animação do mercado Vintage no grande corredor que interligava o hall 01 ao 2.2 foi muito bem vista. Estávamos perfeitamente à vontade no universo onde encontramos ser coerente e de um bom nível de gama de produtos”.
A PREMIERE CLASSE, também foi novidade entre os compradores e marcas, como testemunha o sucesso de Parure, Alexandra Marnia, Place 102 and Bohême, todos concretizaram vendas enquanto que expunham pela primeira vez. 
Dinamismo sem precedentes
Do lado do universo urbano da WHO’ S NEXT, o FACE, área que recebeu parabéns por sua organização. Philippe Bouloux, presidente de Teddy Smith e Kiliwatch Jeans, define o universo em “profissionalismo” um evento composto “de belos stands e de bons produtos”. Já Jean-Roger Sainflou, diretor da Puma Lifestyle, nota também “a atmosfera feliz e a ausência melancólica”. Propósitos que fazem eco ao Origami Jewellery na PRIMIERE CLASSE: “o ambiente continua bom”. “A feira é comunicativa no sentido onde os designers trocam entre si experiências e informações sobre pontos de venda”.
Os compradores, “que eram amadores há alguns anos, tornaram-se altamente profissionais”, adiciona Jean-Roger Sainflou. “Nós trabalhamos como loucos”. A feira excedeu todas nossas expectativas! “tiramos pedidos que foram o dobro de nossas expectativas”.
A oferta pelo feminino se fez pela maioria de produtos nesta edição. “Foi excepcional para Kaffe et Cream: nós fizemos mais de 150 contatos, finalizamos mais de 67 novos e algumas vezes ficamos até às 22:00h finalizando pedido!”, revela Linda Goldstein, agente francês, também responsável pelo projeto.
Este sentimento foi compartilhado por Eddy Rizal, vice-presidente da marca Hôtel Particulier, de Rizal e de K-Yen, que elogia “feira excelente que caracteriza uma aproximação global para esta indústria. Nós atendemos todas as semanas de moda e tomamos proveito da WHO´S NEXT aura internacional para estender nosso impacto nos outros países”.
Laurence Bry, gerente de marketing da Sebago e Caterpillar Footwear, observou a ampla gama de clientes: “grandes lojas de departamento estiveram aqui, assim como prospectes e ex-clientes. Mas a mais surpreendente tendência é o ascendente crescimento de boutiques on-line para os próximos 3 e 4 anos”.

Seguindo para a 2ª edição
Outro ponto forte desta edição de Janeiro: é que há um tempo a 1ª temporada de feiras em Paris, era uma etapa determinante de passagem para o ato de compra, antes então realizado na segunda leva de eventos (junto com a semana de moda) e o que se percebe agora é que isso não se ocorre definitivamente mais. Os compradores mantiveram já a solicitação de pedidos nesta edição.
“A 1a sessão é dinâmica e cada vez mais internacional no que diz respeito aos compradores. Fiz em janeiro um dos meus melhores salões, bem difuso em termo de cifras de negócios. Vi muitos japoneses, assim como franceses, italianos e belgas. A maioria deles fez pedidos”, comenta Catherine Parra, fundadora da marca de bolsas Éponyme e expositora da PREMIÈRE CLASSE.
Eric Lopez, fundador da marca Appartement à Louer, acrescenta: “nosso saldo da edição foi inesperado, tivemos 40% de novos clientes contra 20% dos habituais e recebemos compradores que não vieram na segunda edição, outubro passado. Um fato novo para-nos, as grandes lojas estiveram nesta edição”. Discurso que faz eco ao de Christian Beaufort, criador da marca de sapatos C´entre Maman et Moi: “Embora o infantil não seja o foco da feira, os especialistas estavam lá, da mesma forma que grandes redes e lojas boas e especializadas, sendo estes em sua maioria franceses,  espanhóis, belgas e suíços.”
Com a maioria dos visitantes franceses, a segunda edição apresentou qualidade e o dinamismo em seus compradores.  “Nós multiplicamos nossa cifra de negócios em 2,5 em comparação ao salão de Tuileries” é o que confirma a marca Carré Royal, que expos pela primeira vez na Première Classe de Porte de Versailles, onde ela fez seu primeiro pedido para um cliente japonês.
Foco no masculino
Enquanto acontecia a semana de moda parisiense de moda masculina, a WHO´S NEXT e PREMIÈRE CLASSE apresentaram não menos que 270 marcas masculinas no hall 01, puderam ser vistas desde coleções 100% masculinas e também as de marcas globais com acessórios e roupas com linhas focadas para o público masculino.
A clareza desta oferta foi apreciada e os pedidos foram concluídos é o que testemunha Aurora Coll, diretora da marca de sapatos espanhola George’s Hand Made: “era muito coerente e produtivo para nossa marca estar cercado de marcas masculinas, tendo em conta que propomos principalmente produtos para homens. Foi uma excelente feira em termos de pedidos. Pela primeira vez recebemos a visita de boutiques exclusivas vindas do Paquistão e Israel”.
Para concluir, François Krotoff da The Fair Company, grupo das marcas Filson, Devold, Baracuta e Quoddy, definiu a feira em apenas uma palavra: “mais”. “Mais marcas, mais pessoas, mais encomendas e mais compradores de moda masculina. Especialmente as mais e tão mais boutiques das províncias, as concept stores masculinas com forte identidade e também com ofertas muito bem definidas, em resumo a distribuição da moda masculina”.
Próximas edições:
PREMIERE CLASSE & PARIS SUR MODE ATELIER: 4 a 7 Março 2011, Jardin des Tuileries, Paris
WHO’S NEXT & PREMIERE CLASSE: 3 a 6 Setembro 2011, Porte de Versailles, Paris
MIDDLE EAST FASHION DAYS: 11 a 13 Outubro 2011, Dubai

AGENTE BRASIL WSN DEVELOPPEMENT:
Isabela Keiko Uagaia

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

uebaTVNEWS_RIOMODAHYPE_aw2011_soddi

Soddi - 13 Prêmio Rio Moda Hype INV 2011

Soddi - Biografia e Processo Criativo Inv 2011 Roda da Moda


11/02/2011 - 10:07h Tags: Lady Gaga Vogue America Notícias > - Todas - > Lady Gaga: Capa da Vogue America 1Share Lady Gaga: Capa da Vogue America. A cantora aparece também num editorial luxuoso

Ela acaba de lançar seu novo single "Born this way" e está voltando aos holofotes do show business. Lady Gaga é capa da Vogue América do mês de março. A diva pop do século XXI  aparece com peruca rosa, com sobrancelha descolorida e batom vinho.
É ela também que estrela o principal editorial da revista. As fotos são de Mario Testino. O local escolhido para as fotos foi o Royal Museum of Fine Arts. A cantora, que usa peças de Alexander McQueen, Louis Vuitton, Hussein Chalayan e Haider Ackerman, foi maquiada por Linda Contello com produtos Giorgio Armani Beauty. Confira as imagens:

Preview Primavera-Verão 2012: Aissa Basile apresenta as tendências das passarelas do hemisfério norte

Inspirações Hippie Chic e Flash Back 70
A 36ª edição do seminário Senac Moda Informação, um dos mais conceituados eventos da indústria de moda brasileira, foi sucesso de público e crítica. Quem participou do seminário, deparou-se com uma novidade: o preview apresentado pela consultora de moda internacional Aissa Basile, que encerrava o dia de atividades nas edições anteriores, foi exibido on-line para os participantes cadastrados do evento no dia 26 de outubro.
Aissa Basile apresentou a cobertura das semanas de moda de Nova Yorque, Milão e Paris, realizadas em setembro. Confira a seguir quais são as principais apostas e temas apresentados nas passarelas para o Verão 2012:
Romance bucólico –  Fresco e delicado como um jardim na primavera. O estilo ‘menina camponesa’ ganhou destaque nas coleções em vestidos com alças cruzadas nas costas e pantacourts (calças mais curtas). Microvestidos e longuetes com babados ao lado de túnicas e vestidos ombro a ombro com mangas bufantes também foram vistos nas passarelas, assim como macacões, macaquinhos e bloomers – aventais sobre a pele com bolsos chapados.
Sensualidade minimal – Puro e simples ou composto e maximizado. No desfile da Prada predominou o que a grife batizou de Minimal barroco – estampas, rococós, tons flúor e listras. A simplicidade exagerada em volumes, cores e shapes foi apresentada no desfile de Jil Sander, junto a detalhes metalizados e contraste óptico também foram destaques nas coleções. O Minimal também foi renovado pelas sobreposições e uso de transparências.
Sport City – O vigor atlético. Nesse tema, leggings e joggers com bastante mistura de matérias e sobreposições marcaram presença na maioria dos desfiles. Roupas inspiradas nos trajes dos judocas, anoraks e jaquetas moles desestruturadas, assim como a amarração paraquedas e cadarços no tom são apostas ousadas. Quem optar pelo tema precisará estar com a barriguinha em dia: bands, mini-tops e cava fitness nos macacões e nas regatas serão o must do verão 2012.
Flash Back Anos 70 – O verão quer viver de corpo e alma. Através dos subtemas Rock Fever, Glamour Sexy, Snob e Hedonista (inspirado no Studio 54, famosa discoteca de Nova Yorque), as principais peças desfiladas nas passarelas foram: vestidos com fendas vertiginosas, bainhas assimétricas, decotes (ombro só e frente única), macacões frente única – com e sem pregas – e calças retas, cenoura e palazzo (pijama). Ombros valorizados. A jaqueta biker, com tachas e metelassês, foi a peça que mais apareceu, com comprimentos variados. A alfaiataria Tomboy – mais descontraída – foi vista através de calças pegleg – curtas e mais ajustadas na panturrilha – e Skinny.
Sedução Andrógina – Yves Saint Laurent mesclou o universo deles e delas, nascendo então a moda unissex. Os terninhos de 1971 e as calças pijama, com frente flatch e algumas pregas, assim como o smoking de 1975, serão peças essenciais na moda andrógina. As camisas também foram destaque: começam mais curtas na frente alongando em cauda nas costas. A clássica branca invadiu a passarela.
Hippie Chic – As túnicas – estampadas, com barrados, bordados ou safari -, prometem ser o hit da estação. Vestidos vaporosos, mais longos, com frente única também marcaram presença. Calças trompete e boca de sino, com cintura bem baixa, aparecerão em versões atuais.
Perfume Oriental – Um olhar para o oriente. Os Cheongsan – vestidos de gueixa – e a túnica mandarim fortalecem a feminilidade do tema. Quimonos, transpasses e faixas também marcam presença na tendência.
Marinheiras – Retrô em Dior e Betsey Johnson. Junya Watanabe apresentou um lado mais gamine moderno do tema. As listras em estilo breton, o abotoamento náutico, macaquinhos, shorts-saias e jaquetas são elementares no tema.


Romance bucólico, sensualidade minimal e sport city.
Fonte :.fashionbubbles.

quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

Grifes investem em novos tecidos para roupa de inverno

Os tecidos deram um show à parte durante o São Paulo Fashion Week (SPFW), que terminou quarta-feira em São Paulo. Texturas brilhantes, felpudas, translúcidas, peludas, fotoluminescentes e resinadas surgiram dando uma aparência de sofisticação às roupas de inverno, como há tempos não se via.

Algumas marcas preferiram importar os tecidos principalmente da Itália, caso da Huis Clos, e do Japão, caso da estilista Fernanda Yamamoto. Outras usaram matéria-prima nacional, caso da Ellus, que apresentou um novo denim, desenvolvido pela Santana Textiles.

O Luminato Denim é o mais recente lançamento da linha BEM, a marca de tecidos tecnológicos bi-elásticos da Santana. "Trata-se de um desenvolvimento 100% brasileiro. Devemos, em breve, registrar a patente dele nos Estados Unidos", diz Raimundo Delfino Neto, diretor de marketing e vendas da Santana Textiles. O tecido possui fios de algodão e elastano tramados de forma a expandir em todas as direções e leva um tingimento com propriedade de absorver a luz. As peças feitas com o Luminato brilham no escuro, durante um período variável. Na claridade, a aparência é de um jeans normal.

"Trata-se de um acabamento que não sairá da peça, mesmo após as lavagens", diz Delfino. A inspiração veio do filme "Tron - O Legado", cujos figurinos "acendem" no escuro. O novo denim da Santana tem um preço cerca de 30% superior ao dos artigos regulares. Por enquanto, é exclusivo da Ellus, mas será lançado ao mercado em abril.

A Santana Textiles, com sede em Fortaleza (CE), possui também uma unidade de produção na Argentina e está instalando outra no Texas (EUA). O volume de produção mensal é de 7,5 milhões de metros de denim.

Para a estilista Sara Kawasaki, da Huis Clos, a tecnologia têxtil é o principal fator de diferenciação das grifes. "As modelagens acabam se repetindo. São os novos tecidos que dão origem a coisas diferentes", diz Sara, que, normalmente, começa a pensar numa roupa a partir do tecido. "É ele que dá a forma que ela terá."

Para a próxima estação, a Huis Clos terá roupas com um novo poliéster, que chega com cara renovada e tecnologia de ponta. "É possível fazer qualquer coisa com ele, inclusive plissados e efeitos amassados", afirma Sara. Outro destaque é cupro, um tecido feito com fibra derivada da celulose que lembra a seda pura. "O artigo é ótimo para fazer blusas leves", diz Sara, que importou o tecido da Itália.

A coleção de inverno 2011 da Huis Clos também apresenta malhas de lã com padrão xadrez - "um artigo difícil de achar", segundo Sara, também trazido da Itália. Por fim, a grife criou blusas com tecido coberto por pelo sintético, com aparência de plumagem. O produto, que imita a pele de animais, tem a aparência muito melhor do que os artigos encontrados anteriormente no mercado. "Ele tem uma leveza que eu nunca tinha visto numa pele falsa."

Segundo Sara, o Brasil ainda é carente em tecidos com alta tecnologia. Ela explica que, como são poucas as grifes nacionais que absorvem os produtos mais sofisticados, as empresas não vêem vantagem em produzir. Mas a cliente da Huis Clos, observa Sara, reconhece e valoriza as inovações têxteis. "Há pouca opção no Brasil, então, a saída é importar", diz Sara.

por Erivaldo Cavalcanti

Filme x moda


Antes foi o filme Alice agora é o Cisne negro aqui vemos como o cinema influência a moda  como a moda  a vimos isto muito bem nas semanas de moda do Rio e  São Paulo. Abaixo segue alguns modelo que veremos por ai .....
Segeu abaixo alguns endereço ond ecom toda certeza vocês encontraram estasa e outras peças inspiradas no tema balé
Onde encontrar

284:
www.284brasil.com.br
Accessorize: www.accessorize.com.br
Diva Couture: www.divacouture.com.br
Flavia Aranha: flaviaaranha.com
Shopaholic Store: www.shopaholicstore.com.br

Sapatas e meias hiper coloridas são moda nas ruas de Tokyo

Tokyofashion.com
é um blog onde são mostrados a forma japonesa de ser fashion

Cisne negro': Natalie Portman é a principal atração deste filme



"

Como proceder?

Daí que você é convidada pra sair linda e glamourosa na capa da RG Vogue. Roupa de estilista famoso, cabelo e make com os melhores profissionais, fotógrafo top...

Aí a revista chega na banca e você se depara com este resultado:


Publicado por Thiago Pereira

Gisele Bündchen vai criar coleções de roupas

Segundo a coluna Página 3, do jornal "O Dia", publicada nesta quinta-feira, 10, Gisele Bündchen vai se aventurar como estilista. Gisele vai criar três coleções para a C&A, da qual é garota-propaganda. Christina Aguilera e Beyoncé também já assinaram peças para a marca.

Por:br.omg.yahoo.com